Category Archives: O meu avô na América

Ida e regresso aos Estados Unidos de um português da Relva

.08 d

Estes textos e estas ilustrações documentam a ida e regresso de Sebastião de Matos Gomes aos Estados Unidos da América, onde viveu cerca de dezasseis anos, de 1911 a 1926 na cidade de Providence, no Estado de Rhode Island. O presente trabalho, incluídas todas as ilustrações, foi publicados em Setembro de 2009 pela revista “Gávea-Brown”, Revista Bilingue de Letras e Estudos Luso-Americanos (volumes XXVIII-XXIX, 2007-2008) publicação anual patrocinada pelo “Department of Portuguese and Brasilian Studies” da Brown University de Providence, RI, e corresponde a um convite pessoal que me fora feito por Onésimo Teotónio de Almeida, professor daquela Universidade e co-director da referida publicação.

Capa Gávea Brown

Narrativa de Costa Brites na qualidade de neto de Sebastião de Matos Gomes
Coimbra, Setembro de 2009
(versão original – Maio de 2008)

Peço aos visitantes o favor de clicarem, debaixo do título acima, na indicação 1 Reply, que dá acesso a um comentário muito valioso para mim da autoria de meu primo Carlos Manuel de Matos Gomes, que usa – como escritor – o pseudónimo de Carlos Vale Ferraz .
Trata-se de um sobrinho-neto de meu avô Sebastião de Matos Gomes, isto é, filho de Manuel de Matos Gomes, primo direito de minha Mãe, Maria de Lurdes (de Matos Gomes) Brites.

Parte I – Itinerário de vida e recordações pessoais

A vida esforçada de Sebastião de Matos Gomes e de sua família, descrita à maneira de narrativa ficcional, forneceria matéria para uma obra muito rica de factos emblemáticos duma epopeia portuguesa de tantas gerações de emigrantes que encontraram na aventura de partir aquilo que não encontraram, de outro modo, na sua pátria de origem.
Tantos são os livros que se não escrevem, tantas as memórias que se perdem, tantos os trabalhos e sacrifícios que ficam por contar que a falta de mais um nada importa no largo oceano dos sonhos ignorados.
A breve resenha que aqui apresento das memórias que tenho da passagem de meu avô pelos Estados Unidos da América é apenas um registo simples de natureza afectiva.

Um conjunto de circunstâncias pessoais fez com que eu tenha sido um dos seus mais íntimos companheiros de conversas no derradeiro período da sua vida. A diferença de idades e o distanciamento no tempo das experiências de cada um, contudo, fazem com que Providence, para mim, não passe de um lugar fora de todos os mapas possíveis deste mundo que contemplo de longe com a saudade inexplicável das coisas que nunca vimos. Ainda conheci e convivi também com o seu irmão, meu tio Guilherme (ou Guilhermino) de Matos Gomes que fez nos Estados Unidos um percurso muito semelhante ao do meu avô e que nutria pela sua estadia ali o mesmo género de emotivas recordações.
Tive, e ainda tenho, familiares já distanciados e desconhecidos a residir em Providence ou nas suas imediações.
O único contacto assinalável com contemporâneos do meu avô em Rhode Island, ainda ali residentes à época de uma sua visita feita no fim dos anos 50 a Portugal, foi com o meu tio Joaquim Pires (que residiu em Barrington, era irmão de minha avó e, portanto, cunhado de Sebastião) e sua segunda esposa, a Tia Maria Pires, de Fornos de Algodres.
Recebi a visita nos anos 90, já em Coimbra, de uma filha de Joaquim chamada Leopoldina (Pauline), com quem estabelecemos um contacto muito simpático que poderia ter resultado numa viagem a Rhode Island, não fosse a América um tão longínquo destino de visitas.
No auge da minha adolescência surgiu o sonho inconsequente e frustrado de poder ir viver para Providence, que nunca veio a concretizar-se devido – entre outros – ao facto de meu avô ter trazido sua esposa a Portugal para que aqui nascesse minha mãe, o que lhe retirou direitos de regresso. capital daquele pequeno estado da União tornou-se portanto, para sempre, um lugar idealizado e abstracto.
As pessoas que me conhecem e que me visitam ficam sempre muito surpreendidas por ver no meu atelier de pintor uma velha bandeira dos Estados Unidos da América que, em cores esmaecidas pelo tempo, além das riscas brancas e vermelhas mostra 48 estrelas brancas muito bem arrumadas sobre fundo azul forte: o número de Estados da União nessa época…

OLYMPUS DIGITAL CAMERAa bandeira “do Papá”

É a última coisa que poderiam esperar em minha casa, tão ostensivamente exposta.
Mas a todos explico que aquela bandeira não é de potência mundial nenhuma, mas sim estandarte amorosamente guardado e estimado do país das recordações de meu avô, com a qual me deixava brincar por privilégio especial concedido ao seu primeiro neto.
De seu nome Sebastião de Matos Gomes nasceu no dia 5 de Outubro de 1885, tendo ido para a América depois da implantação da República em Portugal em 1910, e regressado a Portugal em Agosto de 1926.
No dia 12 de Julho de 1942 nasci na sua casa em Cernache do Bonjardim, contava ele 56 anos, portanto.

…O pano de fundo desta fotografia nada tem a ver com a elegância daquelas que meu avô tirou na América. Os retratados são minha avó Maria, meu avô Sebastião e o autor desta narrativa com poucos meses de vida.

Meu pai era de Leiria, para onde vim viver, passando entretanto largas temporadas em Cernache do Bonjardim, lugar eleito de brincadeiras e convivências de família.
Em 1949 iria falecer meu pai por acidente rodoviário, facto que originou uma transformação imensa e desastrosa em todo o decurso da minha vida. Sebastião tinha portanto 64 anos, tendo vindo viver para Leiria com a Mamã (assim todos chamávamos minha avó).
Embora tenha começado cedo a exercitar um certo gosto pela escrita nunca tive a disponibilidade ou a capacidade para encetar uma recolha sistemática e organizada das memórias de vida desse meu grande amigo e protector moral, o que lamento de forma indescritível.
Pelas iluminadas manhãs da sua Quinta da Salgada passeávamos pelo arvoredo, pela chã e pelas hortas, atrelávamos o cavalo ao engenho, enquanto lhe perguntava e ele gostosamente me contava coisas da América.

Papá, Mamã, minha mãe Lourdes e tia Lídia

Dezassete anos separam esta fotografia (tirada em Providence em 1925) daquela que acima se encontra publicada, e não fazem falta as palavras para acentuar o contraste de universos que vigorava entre Cernache do Bonjardim, Beira Baixa e Providence, Rhode Island. As pessoas adultas retratadas são as mesmas, acompanhadas aqui pelas duas filhas Maria de Lurdes, minha Mãe (de pé) e Lídia (sentada), não estando ainda presente a terceira filha do casal (Ermelinda), que viria a nascer em 1926

.

.

– Oh Papá, alguma vez falou com cow-boys?

Houve um desgosto que, sem saber, me deu um dia meu avô.
Passageiro legítimo da geração das histórias de quadradinhos, e desde cedo habituado a ir ao cinema – de quando em vez – com os meus pais, acreditava no mundo encantado dos cow-boys do Far-West, das histórias do Cisco Kid, do Falcão Negro do grande desenhador português Eduardo Teixeira Coelho (que assinava Etc), de Búfalo Bill, dos filmes a preto e branco de John Ford e de outros.
Perguntei um dia ao meu avô se tinha visto ou conversado com cow-boys!…
Habitando na Nova Inglaterra, longe das pradarias das grandes aventuras, os cow-boys em nada se tinham relacionado com a sua experiência.
E lembro-me como se fosse hoje o ter-me dito que alguns cow-boys não passavam de guardadores de vacas (os rapazes das vacas) e que outros eram “uns grandes ciganões”!…
Tal explicação não deixava de ser perfeitamente realista, é evidente. Mas não é de realismos que se alimenta a curiosa fantasia de um petiz de dez anos, mais coisa menos coisa.

09 a pVista Geral de New York com algumas das suas pontes, conforme colecção de postais ali adquiridos por meu avô

Algo me consolou saber que sempre tinha visto cow-boys, mas apenas nos fantásticos desfiles de espectáculos de circo (“as Çâkâss”, circus) que sempre suscitavam imensa curiosidade pública quando chegavam a Providence: os tais “ciganões”, a cavalo, a revoltearem o laço e com grandes bigodaças. Sobre as tais “Çâkâss” havia um detalhe que era sempre muito bem explicado, como coisa prodigiosa da América.
Todo esse mundo fantástico sobre rodas se instalava num grande espaço da cidade, fazia a propaganda através desse tal grande desfile, dava um pequeno número de espectáculos sempre à cunha de público entusiástico partindo num ápice para outras terras!…
Na América era tudo assim, fulminantemente rápido e eficaz, e havia também a história daquela ponte (julgo que em Nova York) cuja montagem fora tão intensamente planeada e organizada que colocá-la no seu lugar durara apenas o espaço de uma noite para o dia seguinte!…

Tenho a felicidade de ter um neto que é muito meu amigo. Brincamos muito, conto-lhe muitas histórias, pintamos os dois com grande alegria e fazemos bonecos que ilustram as nossas mais delirantes invenções. Revivo nele e com ele a mesma alegria comovida que sempre vi no olhar de Sebastião nos anos em que acalentou a minha mais feliz infância.
América à parte, e embora o subtítulo colocado acima demonstre que naquele tempo não se tratavam os antepassados por tu, oxalá possa o meu neto lembrar-se um dia de mim com a apaixonante alegria e o comovido enlevo com que me tenho lembrado sempre de meu avô.

.
 photo a5b24df4-dfc5-4a0b-b629-6cf6be0943ce.jpgO meu tio Guilherme, o meu avô, eu e o meu primo Alfredo José Brites, segundo neto seu, em Cernache do Bonjardim, algum tempo antes de 1949.

.

Origens e partida para a América

Quando o meu avô Sebastião de Matos Gomes nasceu, no ano de 1885, era uma criança extremamente débil e nos tempos desamparados em que viveu a sua primeira meninice, no seio de uma família muito pobre de pequeníssimos agricultores da baixa Beira Baixa, era duvidoso que viesse sequer a sobreviver. Contou-me muitas vezes que sua mãe o levava deitado numa cesta e que o colocava à sombra de uma árvore durante os duros trabalhos do campo, onde mal se mexia dada a sua falta de energias.
Tendo conseguido sobreviver a esse difícil período atingiu a idade adulta como homem de baixa estatura mas de carácter decidido e presença enérgica.
Um dos receios que mais o afligia era essa sua baixa estatura e a impressão que havia gerado todo o decurso da sua infância de que jamais viria a tornar-se um homem como tantos outros.
Teve que reunir forças, entretanto, para enfrentar os duros trabalhos do campo e fazia até parte dos grupos de trabalhadores de jorna forçada que iam para as extenuantes ceifas no Alentejo, nas migrações anuais que os denominados “ratinhos” da Beira faziam para as terras alentejanas, e cujo enorme sacrifício tanto lhe ouvi narrar em memórias sofridas de tempos idos.
A ceifa obrigava a um esforço terrível de corpos vergados sobre a terra debaixo do calor e da secura alentejanos. A única forma de poder descansar alguns momentos de vez a tempo daquela posição forçada era o intervalo consentido para fumar um cigarro, dizia-me. E assim devido a essa única razão se foi habituando ao cigarro, vício que viria a abandonar quando passou a sofrer de alguma bronquite.

Foi nesses plainos do Alentejo que aprendeu a ler. Os trabalhadores da ceifa depois do sol se pôr e à luz duma lanterna organizavam-se sob a orientação de um voluntário que conhecesse as letras e trocavam conhecimentos e instrução elementar entre si. Um dos camaradas (assim se chamavam os ceifeiros maduros) que exerceu essas funções de rústico mestre escola foi um tio meu, chamado Joaquim Pires, irmão de minha avó Maria da Silva (“Mariana”), e que mais tarde também emigrou para os Estados Unidos da América, para Providence, onde foi operário da indústria de fiação e onde ficou até ao fim dos seus dias.

05 p1

Chegado o momento de “ir às sortes”, ou seja, de “tirar o número” que definia o destino militar dos jovens mancebos de então, Sebastião teve a enorme alegria e até o orgulho de ter sido apurado para o serviço da tropa. Foi a consagração de que era de facto um homem válido como os outros, sendo o seu regresso a casa com a fita vermelha na lapela do casaco que ostentavam os “apurados” um momento de rara felicidade. Numa família de homens altos foi ele, aliás, o único apurado para o serviço militar. “Ainda servi o Rei D. Carlos”, usava dizer, tendo tido a especialidade de tratador de cavalos o que era outro dos seus motivos de vaidade. Pela diferença de apenas uma incorporação livrou-se de ser mobilizado para as campanhas de África onde os seus camaradas de armas se bateram na guerra contra o Gungunhana, em Moçambique.
Quando regressou da América alimentou o grande gosto de possuir sempre um cavalo que o recordava dos encantos de cavalgadas pelos campos de Tomar, no treino da montada do comandante do quartel general dessa cidade, tarefa honrosa que lhe coubera a si.
Costumava portanto ter sempre um cavalo para a sua locomoção e eu próprio ainda andei não poucas vezes nos que possuía na Quinta da Salgada, em Cernache do Bonjardim.
Tal como certo cão favorito que fez época e se chamou “Rocky Point”, também os cavalos que foi possuindo ostentavam sempre o mesmo nome importado: o “Pony”, em preito de memória aos seus tempos de Providence, nome pronunciado – já se vê – com a entoação especiosa das palavras vindas de além Atlântico.
Acabado o seu serviço militar rumou para os lados de Lisboa acompanhado de seu irmão Guilherme em busca de melhor vida e de outras condições de trabalho.
Nas vésperas da proclamação da República em Portugal eram ambos operários no maior conglomerado industrial do nosso país, a Companhia União Fabril ou CUF do Barreiro, como era conhecida.
No dia 5 de Outubro de 1910 sei que se deslocaram até Lisboa, na data que era também do aniversário de Sebastião, para darem fé do que se passava.
Na sequência da queda da monarquia os empresários fizeram como costumam fazer noutras ocasiões similares: despediram grande quantidade de trabalhadores. Sebastião não foi despedido mas sim Guilherme e os laços de família que eram fortíssimos levou-o a despedir-se, ele próprio, por solidariedade.
Seguindo o caminho de conterrâneos seus da baixa Beira Baixa (área de Vila de Rei) demandou terras da América do Norte, levando até lá, mais tarde, alguns outros irmãos, vizinhos e parentes.
Quem lhe prestou ajuda na sua ida para a América deve ter sido Manuel Mendes Diogo, da Relva/Vila de Rei, ali residente, que foi tio de um outro luso-americano posteriormente nascido em Providence (é da geração das filhas do meu avô) e ali mais tarde bastante activo como industrial de salsicharia, Diamantino Mendes Henriques. Este casou com Leopoldina Pires Henriques, prima direita de minha mãe, por ser filha de Joaquim Pires, irmão de minha avó Leopoldina, e da segunda esposa de Sebastião, Maria da Silva, minha avó por eleição do mais profundo afecto.
Joaquim Pires terá sido uma das pessoas que meu avô ajudou a ir para os Estados Unidos, ali tendo residido até ao fim dos seus dias, e já foi referido no episódio das lições de leitura na campina alentejana, noites adentro.
Já tive o prazer, como já disse antes, de receber a visita dessa minha prima Leopoldina aqui em Coimbra, que vive ainda em Rhode Island e adoptou o nome de Pauline.
A maior parte destas pessoas e seus familiares encontram-se sumariamente referidos numa obra acerca de “Vila de Rei e a sua Gente”, de autoria do Padre José Maria Félix, agrupados em duas linhas familiares, os Matos Gomes do Vale da Urra e os Silvas da Relva, ambas as localidades situadas no concelho de Vila de Rei.

 

06-p

Estamos no Picoto da Milriça, virados para Nordeste, local onde existe o “Museu da Geodesia” e um marco geodésico que assinala o centro considerado exacto de Portugal. Por detrás do cabeço que vemos ali à frente, um pouco à direita, situa-se a Relva, onde nasceu meu avô.

07 pEste é o conhecido marco geodésico acima referido, à direita o museu, e em frente, lá muito longe, do outro lado do mar que não se vê daqui, o país onde se encontra Providence.

.

As viagens

No tempo da juventude dos meus avós não havia comodidades em nenhum aspecto da vida. As “camionetas da carreira” e os próprios automóveis não existiam, nem em sonhos.
Depois das terríveis invasões dos soldados franceses (que cometeram inúmeras atrocidades nas terras onde viveram meus tetravós) e das guerras civis entre absolutistas e liberais que se sucederam deixando o país na mais profunda miséria, a segunda metade do século XIX ofereceu apesar de tudo um notável desejo de recuperação.
A poucas léguas da Relva, no Rossio ao Sul do Tejo (conhecido também pelo Rossio de Abrantes) inaugurou-se, exactamente no ano em que nasceu Sebastião de Matos Gomes, uma estação de caminhos de ferro.
Havia além disso o transporte fundamental, a pé, e a saca às costas com o pequeno dispositivo de modestíssimos recursos. Para viagens de matérias mais pesadas serviam os “carreiros” com as suas parelhas de bois e os seus carros de mulas e cavalos. Para coisas mais miúdas, os burros. No tempo do meu avô, lá fundo no horizonte próximo permanecia em uso essa enorme via de transportes que era o rio Tejo e os seus barqueiros.

Foi essencialmente a pé que Sebastião se deslocou nas idas e vindas para trabalho no Norte Alentejano, nas maltas de “ratinhos” (trabalhadores migrantes da Beira Baixa que ceifavam no Alentejo) organizadas ali mesmo na Relva e noutras localidades vizinhas por “manajeiros” encartados. A pé foi com toda a certeza para a tropa, porque Tomar era “ali perto”. Nas idas e vindas para embarcar para a América, a pé e de comboio inicialmente. Mais tarde, no regresso com toda a família, o seu estatuto de emigrante bem situado permitiu-lhe alugar um automóvel, que venceu como pôde a precária ligação por estrada até Cernache do Bonjardim, pela qual só anos mais tarde – para lá dos meados de trinta – viriam a circular as camionetas de carreira.
As abundantes bagagens de porão que trazia ficaram na alfândega de Lisboa, e terão vindo de comboio até Tomar, por ficar mais à mão que o Rossio de Abrantes, transportadas por “carreiros” depois, até Cernache.

Das histórias e anedotas que o meu tio Guilherme contava com imensa graça faziam parte os episódios de carreiros e barqueiros do Tejo, e episódios singelos das noites passadas em pensões modestas, nas idas e vindas que a vida deu. Entre elas a do barqueiro de Santarém, explorador e avaro, ludibriado por um conterrâneo ali das “terras detrás do Sol posto”, que acabava na maior cascata de gargalhadas, em que o esperto beirão, depois de ter comido as papas na cabeça ao maldoso barqueiro lhe perguntava já da margem, no fim da viagem:
– Queres mais “silada”, santareno?
“Silada”, aqui, não era sinónimo de armadilha como o jogo de palavras pode graciosamente sugerir. Era sim a “salada” que o modesto beirão tinha papado sem pagar, furtando-se ao poder que o barqueiro foi tendo sobre ele, enquanto embarcado.

A passagem de Sebastião pelo serviço militar mostrou-lhe Lisboa e o emprego que teve depois na Companhia União Fabril do Barreiro e as travessias do Tejo devem ter-lhe tornado familiar o perfil majestoso das imensas máquinas a vapor que levavam passageiros para longes terras. A viagem para os Estados Unidos no bojo duma dessas enormidades não pode ter deixado de ser fantástica e a chegada à América, ainda que apoiado por patrícios seus, nada menos que estonteante.

Em certa altura, já nos Estados Unidos, adquiriu meu avô uma colecção de postais de Nova York com vistas da enormíssima cidade, que me explicava sentando-me no seu colo, com um ligeiro tremor nas mãos e com grande entusiasmo e admiração na voz.

.

08 pNew York City Souvenir Folder/Views in color

09 pEstas são a capa e a contracapa do “souvenir folder”

 

10 pNew York Harbour from the Battery showing Statue of Liberty and Ellis Island

Aqui o aspecto do grande porto de entrada nos Estados Unidos, bem diferente do Tejo, mas também cenário de grandes viagens e de “muitas e desvairadas gentes”

11 p Elevated R.R. Curve at 110th Steet, New York

Este é um dos tais comboios que trovejavam por cima das cabeças estonteadas dos recém-chegados

12-p1A Queensboro Bridge over Blackwell’s Island, East River, New York

Seria esta uma das tais pontes que na América, dizia-me, se construíam com grandes proezas de técnica e em menos de um fósforo?

Os empregos de Sebastião na América

Depois de embarcar para os Estados Unidos da América, Sebastião trabalhou primeiramente numa fábrica de papel, o “Paper Mill”, com uma passagem – ao que julgo breve – por trabalho num navio que efectuava transportes ao longo da costa, nas imediações de Providence.
Nos seus começos também trabalhou por curto espaço de tempo numa trefilaria, ou seja, numa unidade industrial onde se efectuava o tratamento de peças de aço, trabalho que era extremamente desconfortável e perigoso até, pelo que veio a abandoná-lo.

13 pFoi num barco deste género que Sebastião trabalhou, não durante muito tempo, quando chegou à América.

A última fase da sua actividade profissional foi passada na “E. M. Dart”, onde era operário que examinava juntas e válvulas de passagem de fluidos, rejeitando as que não estavam em condições. Dizia com certa vaidade que era o último homem das linhas de controlo de qualidade e, como era cumpridor e esforçado, não admira que tenha conservado o emprego durante a maior parte da sua permanência na América.

14 p

Numa fase inicial trabalhara como “watch man”, durante a noite. Percorria a unidade fabril e as suas várias instalações em rondas no decurso dos quais tinha que accionar relógios que demonstravam a sua passagem por esses locais. No Portugal de antanho, um tal emprego deixava as pessoas que o ouviam contar a história de boca completamente aberta.



.

Casamento em Providence, com uma portuguesa da Relva

16 p

Sebastião casou em primeiras núpcias com Leopoldina da Conceição, uma portuguesa muito bonita, sua conterrânea da Relva, muito parecida, aliás, com a sua primeira e única filha, minha Mãe.
Ao longo desta breve narrativa há duas mulheres as quais trato indistintamente como “a minha avó”. Uma é Leopoldina por quem meu avô se apaixonou, lindíssima nas fotografias que felizmente possuo como herança grave e preciosa, e que olho com uma saudade inexplicável e dolorosa pelo abismo duma morte em plena flor da idade.
A outra minha “verdadeira” avó chamava-se Maria da Silva, Gomes pelo casamento, a preciosa e “única” avó, coração generosíssimo de mulher por todos estimada e admirada. Sebastião habituou-se a tratá-la por Mariana devido a brincadeiras da alegre e harmoniosa convivência que mantinham, nome de que Maria não gostava porque era alusão espirituosa a uma sua antiga namorada.
Voltando entretanto a Leopoldina e à primeira fase da sua estadia nos Estados Unidos: Sebastião, numa atitude de exacerbado carinho pela terra mãe decidiu fazer com que a primeira filha de ambos viesse nascer a Portugal, decisão trágica para a jovem esposa que morreu três meses depois de um parto difícil, ao que parece por apendicite aguda, numa terra carente de todo o apoio hospitalar já então disponível em Providence.
O infeliz acontecimento causou na alma de Sebastião um terramoto de desgosto sem fim.

Uma irmã de Leopoldina, que tinha tido anteriormente uma secreta inclinação por aquele que viria a ser seu cunhado, não hesitou – por solidariedade com a menina e sua falecida irmã – sujeitar-se a uma decisão pouco ortodoxa para os prazos e formalismos morais da época e do lugar: acompanhar Sebastião sem mais delongas para os Estados Unidos, apenas feito casamento civil, tendo o enlace matrimonial católico tido lugar depois, já em Providence.

.

.

.

.

A “pneumónica”

Numa certa altura foi o mundo inteiro sacudido pelo medonho fenómeno da chamada “peneumónica” ou “gripe espanhola”. Sebastião regressava um dia de seu trabalho e, ao atravessar um jardim de Providence, soltou-se-lhe um vómito estranho da cor do sangue. Ficou preocupadíssimo porque sabia que era um dos sintomas de estar inoculado pelo vírus da doença. A forma como sempre contava a história dos factos ocorridos depois estava a meio caminho entre a realidade que certamente viveu e uma espécie de acaso proveitoso do destino, que não sei explicar. Dizia que se aconselhava às pessoas assim receosas que regressassem imediatamente a casa, que recolhessem ao leito bem agasalhadas e que fumassem e bebessem bebidas alcoólicas, dentro do que fosse possível. Sebastião assim fez. Diz ter passado por um estabelecimento logo de seguida, onde adquiriu algumas onças de tabaco e garrafas de whisky. Transpirou os trinta farrapos e assim aguentou um certo número de dias, o prazo crucial que era indicado para os felizes que conseguiam vencer a enfermidade.

Que a história é verídica não duvido porque meu avô era um homem de sinceras verdades. Quanto à mezinha e ao resultado que alcançou não me convencem muito, mais me parecendo recurso de certo desespero para pessoas distanciadas de outros meios mais especializados, ou pela falta de tratamentos que não existiam na altura, pois não haviam ainda sido descobertos.

 

17 mos

Terá sido no “Café delle Tre Stelle” que Sebastião comprou as bebidas de que falava? Foi por certo antes da aplicação da Lei Seca, o que está conforme com a época em que a doença se propagou (1918) e a data de promulgação daquela lei (1920). A peça que aqui se mostra é uma pequena relíquia do meu avô por ele trazida de Providence.

A decisão do regresso a Portugal

.

Tendo três filhas meninas, não quis Sebastião dar-lhe a educação americana já muito permissiva nessa altura para os seus hábitos, e resolveu regressar a Portugal acompanhado de toda a sua família, facto que causou o maior desgosto à minha avô “Mariana”.
Ela bem sabia quão “arrastada” era a vida das mulheres em Portugal, habituara-se já a um sem número de facilidades e comodidades usuais da Norte América e doeu-lhe muito a decisão de seu marido. Esta foi tomada de uma forma inaceitável para os dias de hoje, mas porventura entendível para a época em que viviam, patriarcal por excelência. “Mariana” soube que iria regressar a Portugal apenas no dia em que Sebastião chegou a casa com os bilhetes da viagem transatlântica já guardados no seu bolso e com data marcada para o embarque.
Lá se ficava a casa modernizada na qual não faltava um antecedente do frigorífico (a “ice box”) para conservação dos alimentos, a abundância de produtos num mercado muito mais evoluído, a graça e conforto dos trajes, a escola a que as meninas estavam já habituadas e a língua dos residentes que já dominavam. No seu regresso a Portugal esse facto produziu-lhes um choque terrível na nova escola que passaram a frequentar, onde as outras crianças as aceitaram de forma estranha dada a linguagem que usavam entre si. Esse facto acelerou de forma dramática a rejeição do inglês que nunca mais voltaram a praticar na sua vida.
Sem saber o que iria acontecer no futuro imediato naquela sua amada América, Sebastião teria tomado, contudo, uma decisão circunstancialmente acertada. Tendo regressado antes da “grande depressão” pôde vender ainda a sua casa com facilidade por um preço conveniente e formar um pecúlio suficiente para se instalar com a família em Cernache do Bonjardim.
Mesmo que eu não tivesse uma informação detalhada a respeito de tais factos históricos, são claras na minha memória juvenil as referências a algo que teria acontecido por lá, que impediu depois muitos portugueses de realizarem, durante certo período, o sonho dourado de regressarem à sua terra gozando dos proveitos dum mealheiro confortável. Foi o caso, aliás, do meu tio Joaquim Pires, irmão da minha avó “Mariana”, que gorada a oportunidade de regressar nessa altura ali se enraizou e residiu até ao fim dos seus dias.
Lembro-me bem de ouvir falar, nas visitas que lhe faziam alguns torna-viagem daqueles tempos, das súbitas mudanças na situação económica. Que bem tinha feito o meu avô em regressar antes da crise porque tinha conseguido amealhar um bom pecúlio por ter podido vender a sua casa ainda por uma boa porção de dólares.

19 p

Quanto à exactidão concreta das motivações do regresso de meu avô, julgo que a questão da educação das suas meninas não cobre toda a verdade, tendo sido essa uma forma sentimentalmente airosa de “verdade oficial” que pode justificar uma rejeição mais global duma certa forma de vida. Essa atitude foi, aliás, adoptada por uma grande quantidade de outros emigrantes portugueses radicados nos Estados Unidos que regressaram naquela época a Portugal. Regresso que, no caso do meu avô, também não era para ser definitivo, o que é comprovado pela forma cuidadosa como se documentou em relação a um eventual retorno e por declarações feitas nesse sentido.
Tendo-se tornado definitiva a permanência portuguesa em tempo de “grandes depressões” nos USA, teve a virtude de transformar um operário que seria sempre modesto num “proprietário” rural de algum respeito, o que não deixou de ser uma subida interessante de estatuto para um antigo e sofredor “ceifeiro” de além Tejo!…
Quanto às saudades, ao “arrependimento” e outras ocorrências futuras, isso são contos largos.

O escasso número de pessoas que conhecia a história sabia bem que o olhar pesaroso da minha avó, nesta fotografia, registava bem o desgosto que foi, para si, deixar Providence e uma vida diferente na América.

21 p

Documento que teria permitido ao meu avô regressar aos Estados Unidos, durante um certo período.

 

Cernache do Bonjardim, lugar de regresso

Durante um largo período de mais de 20 anos Sebastião e sua “Mariana” gozaram, portanto, a circunstância de ser um casal unido que criou as suas filhas num meio que tinha características especiais e no qual eu tive o privilégio de ser o primeiro neto a surgir, tendo por isso como nome próprio o mesmo nome que meu avô. Chamo-me José Sebastião Gomes (da Costa Brites), José da Costa Brites herdado de meu pai e Sebastião Gomes de meu Avô.
Vivi em Cernache do Bonjardim não muito tempo mas o suficiente para ali ter apreendido uma deliciosa visão da vida, de tal forma que concebo a Quinta da Salgada, o local onde eu nasci, como uma verdadeira “memória do paraíso”.
Esse é, aliás, o nome de um livro que gostaria de escrever, contendo, além de muitas outras coisas, as inúmeras referências da passagem de meus avós, seus familiares e conhecidos por lugares, ruas, parques, lojas, rios e mares fascinantemente longínquos cujos nomes se foram tornando familiares: Providence, East Providence, Newport, New Bedford (“Niu Betfet”), Pawtucket (P’táquêt), Barrington (Barrinton), Bristol (Brístola), Fall River, Cranston, Seekonk, Rocky Point (nome que para mim era mais do tal cão que houve na Quinta da Salgada do que de um lugar qualquer que possa ter existido algures), o Crescent Park (o Cri’cent pák) e uma tal prodigiosa e grande loja chamada o Outlet, onde havia de tudo.
Isto para não falar de tantos lugares de nome sonante dos quais sinto uma perfurante saudade porque nunca neles habitei e mesmo se agora os visitasse já não teriam nada do encanto com que me habituei a habitá-los na memória: a Warren Avenue, a Wickenden Street, a Broadway, a Freeborn Avenue, a Gano Street, que sei eu…

Da imensidade de hábitos que meu avô trouxe da América, muitos posso dizer que ainda persistem em minha própria casa, anos e anos depois do seu desaparecimento e muito mais anos depois da sua saída desse longínquo país.

22 pSebastião de Matos Gomes
Fotografia tirada em Lisboa, nos Restauradores, em 1926 – data em que regressou dos Estados Unidos.

.

Tralhas velhas estimadas como preciosos vestígios de felicidade…

.

Numa época em que as travessias atlânticas eram feitas de barco a vapor era prática normal trazer móveis e utensílios de todos os géneros, inclusive certas inutilidades que ficavam apenas como memórias dum tipo de vida completamente diferente. Não posso esquecer-me, como testemunho de um clima completamente diverso, dum certo artefacto dotado de pontas de ferro que se afivelava com uma correia à volta dos sapatos para evitar as quedas no chão gélido e escorregadio do Inverno Americano.
Desses objectos de mobiliário que conservo em minha casa subsiste uma cama de casal cuja estrutura de ferro resistiu a todos estes anos e ainda se encontra em uso. Era uma bonita peça feita em ferro moldado e com elementos em latão que o meu avô entretanto pintou e repintou com tintas de esmalte e que foi a sua cama até ao fim da vida, depois de encurtada a altura de pernas e de cabeceira que ostentava quando vinda da América.
Eu próprio a raspei e repintei de branco há alguns anos. Depois de retirada a pesada estrutura original de ferro do colchão de arame e com um colchão actualizado, é a cama onde eu próprio nasci em 1942 e é a cama de casal onde ainda durmo nos dias de hoje com minha mulher.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A chamada “secretária” do meu avô existe ainda e está em uso em casa de um primo meu, depois de preciosamente restaurada. É esse meu primo que possui em seu poder a velha colecção de discos antigos da grafonola que todo o emigrante americano que se prezasse trazia dos Estados Unidos.

24 ab

O meu avô Sebastião trouxe uma daquelas de dar à corda com uma manivela lateral, que era evidentemente a única “força motriz” disponível ao tempo para este tipo de objectos, acompanhada com a respectiva colecção de grandes e pesados discos negros de 78 rotações. Eram objectos manipulados pelo meu avô quase exclusivamente, com sulcos que reflectiam a luz em fileiras curvilíneas de um brilho estranho num rigor tecnológico naquele tempo perfeitamente invulgar. As agulhas eram de ferro grosso e, contando com a usura do tempo que Sebastião sabia iria ser longo, muniu-se de duas ou três caixas porque era homem previdente e não queria que se perdesse a utilidade daquela mágica lembrança de convívios animados entre família e amigos.

24 ap

Era encantadora a série de músicas que ouvi inúmeras vezes e que animaram bailes e convívios em sua casa. Marchas típicas da América, os seus hinos e canções mais em voga, valsas, polkas e mazurkas, mas também árias de óperas, canções portuguesas e, imagine-se, gravações brejeiras de cenas da revista à portuguesa que na altura gozavam de especial popularidade junto dos portugueses distantes da terra natal, tudo disponível surpreendentemente na América desses tempos ao alcance dos portugueses ali residentes.
Era sobretudo interessante a audição colectiva de tais entremezes, não existindo os falsos pudores que poderiam ter caracterizado certa pequena burguesia da época, a que nós não pertencíamos, de resto.
Só para amostra lembro-me dos seguintes versos: “Ai tira o bicho, tira, tira, tira,tira, mas que cabeça tamanha”, e narrava as façanhas de certo namorado de voz grossa em contraponto com a namorada esganiçada ao que parece muito aflita nos termos em que o próprio poema documenta…

24 ac

Esta Valsa “Três da Manhã” era das melodias preferidas do meu querido avô que, com a ajuda eloquente do grande contador de histórias que era o seu irmão Guilherme, também narrava episódios e proezas técnicas e científicas do insigne fotografado nesta capa: Guglielmo Marconi.

.

Vinho do agricultor, festas de família, canções da América e as histórias do tio Guilherme!…

Tudo isso se passava com grande animação nos dias de festa e convívio familiar na velha Quinta da Salgada, no Molhapão e no Vale Ferraz, nas quais estavam presentes todos os parentes mais chegados que, na generalidade, tinham passado pela América.
O convívio entre todos era muito franco e alegre. As pessoas eram muito simples e entreajudavam-se o máximo que lhes era possível.
As refeições de festa tinham momentos de grande entusiasmo. O Tio Guilherme era um grande contador de histórias e uma refeição de convívio com ele podia contar de forma automática com uma sessão de anedotas e pequenas histórias, umas vividas entre amigos ou irmãos (sendo Sebastião, meu avô, um dos mais habituais protagonistas), outras inventadas.
Narravam, entre outras peripécias, ocorrências das viagens e da estadia na América. Aquele episódio da longa viagem em que os balanços do mar produziam o enjoo proverbial faz-me lembrar as cenas do imigrante embarcado do filme de Charlie Chaplin: pessoas modestas e habituadas a privações não podiam pensar em escapar a uma boa refeição no navio, é claro. E se havia quem vomitasse punham uma mão a ocultar o que estava de lado e vai disto, deglutiam à pressa tudo o que restava no prato para que o estômago, se sofresse de algo, não seria por falta de conforto do repasto completo.

25 p
O meu tio Guilherme: fotografia feita em Providence no SMales Studio, 489 Westminster St.

Uma história destas contada pelo meu tio Guilherme, por mais insignificante que pareça, não ficava nada atrás das cenas do conhecido Charlot, de que o meu avô narrava recordações do seu tempo de Providence e de uma visita que o famosíssimo artista fez a essa cidade, no tempo em que ali permaneceu.
O talento e o entusiasmo que o meu tio punha nessas actuações, para as quais não era preciso convidá-lo, provocava um delírio de gargalhadas que fazia dores de barriga e soltava as lágrimas de todos os ouvintes.
O curioso de tais sessões de euforia familiar é que as histórias eram sempre as mesmas, os episódios vividos eram geralmente coisas simples passadas entre ele e os irmãos, cenas francamente ingénuas e contadas a meias pelos intervenientes mas de efeito hilariante.
O tio Guilherme, o único dos parentes que na América se deu ao trabalho de ir frequentar a escola nocturna para adultos, era um jovem muito aprumado e eram narrados com imensa graça pelo meu avô as minudências que punha no trato da sua aparência. Andando sempre com as calças o mais vincadas possível (o que a foto acima documenta) tinha por hábito, antes de se deitar, colocar as mesmas entre o colchão e o chamado “judeu” para que, de manhã, as calças estivessem sempre bem vincadas.

Havia no entanto um momento final nos jantares de festa, quando o meu avô e seus irmãos de passado vivido nos Estados Unidos estavam já um pouco tomados pelo magnífico vinho que eles próprios cultivavam, que era o das canções cantadas por todos em inglês, sendo obrigatório, além do próprio hino americano e uma ou outra canção de que já não me lembro, o momento mais fantástico com aquela que era conhecida lá em casa como “It’s a long way”!…

It’s a long way to Tipperary,
It’s a long way to go.
It’s a long way to Tipperary
To the sweetest girl I know!

.

Ir à guerra e escolher bandeira…

Essa canção, pela conotação patriótica e ligação com o conflito da WWI, devia ter conhecido grande popularidade na América desses dias para ter chegado até nós em Cernache do Bonjardim, e lembro-me de ouvir contar uma variedade de episódios ligados à participação e ao alistamento de homens para esse conflito.
Dizia Sebastião que era perguntado nos Estados Unidos, pelas autoridades que faziam os alistamentos dos eventuais combatentes, se desejavam ser inscritos sob a bandeira americana ou sob as cores de Portugal. Os de índole mais sentimental diziam querer bater-se por Portugal, o que terá sido para alguns uma decisão com as piores consequências, se atendermos às condições precárias dos destacamentos portugueses e a decorrente miséria e falta de apoio social, de regresso à sua pátria.

Recordo-me de uma história muito contada em minha casa e bem conhecida dos ex-emigrantes nos Estados Unidos, de certo conterrâneo de meu avô que foi combatente na primeira guerra mundial sob a bandeira americana, donde regressou mais tarde para viver em Portugal.

Nas voltas da vida correram-lhe as coisas mal e viu-se velho e sozinho, acompanhado de sua mulher, em condições de carência financeira e acompanhamento familiar, sem filhos ou ajudas que pudessem dar-lhe o necessário apoio. Não tratara bem dos seus direitos e nada averbara das condições nessa altura garantidas aos ex-combatentes dos Estados Unidos. Os departamentos próprios encetaram todavia uma procura de pessoas nessas condições e só nesse lamentável fim de vida veio a chegar-lhe correspondência que lhe dava conhecimento da pensão que jamais havia recebido e a que tinha direito, tal como todos os respectivos retroactivos.

Imaginemos pois qual não teria sido a milagrosa surpresa que veio favorecer aquela necessitada família naquela excepcional situação de carência e solidão, o súbito alívio que os bafejou e o impacto que esse acontecimento teve no reforço do “sonho americano” tão intensamente vivido por toda aquela geração.

.

Uma forma velha de falar uma língua nova (ou vice-versa…)

Um apetrecho imaterial, mas formidável, trazido da América por meu avô e por todos os seus contemporâneos, foi uma forma específica de falar nutrida por palavras de inglês americano “tratadas” com a pronúncia que lhes era própria, ou seja, um léxico de palavras enigmáticas que só eles entendiam!…
No que me toca, fui criado por diversas pessoas que haviam apropriado todo esse contingente de vocábulos, o que os transformou em aquisições automáticas da minha forma de estar e que ainda subsistem, em certos momentos da vida de minha família, embora à enorme distância da sua origem própria.
Durante vários anos da minha infância usei enquanto brincava umas calças de ganga com peitilho e alças, feitas à imagem e semelhança das calças largas de operário do meu avô, que eram vestidas por cima da outra roupa para evitar a sujidade. Chamavam-se na América, julgo eu, umas calças “over all” e passaram a ser para mim uns “alvarózes”, termo que se usava em minha casa com a naturalidade de qualquer outra palavra em português.
Como o meu pai era de Leiria e ali vivi sempre que não estava em casa dos meus avós em Cernache do Bonjardim, houve pessoas amigas que ficaram muito intrigadas com o que seriam uns “alvarózes” e eu muito surpreendido de que elas o desconhecessem, por ser coisa tão útil e familiar.
Tendo vivido nos Açores nos últimos anos da década de sessenta fui ali reencontrar, nas gentes do povo (e não só), uma certa quantidade de palavras esquisitas importadas da América, que minha recente esposa não entendia e que eu não tinha nenhuma dificuldade em traduzir porque me eram completamente familiares.
O próprio nome porque eram tratados os meus avós por toda a gente viria a sofrer uma inflexão particular derivada da sua vivência norte americana. Papá e Mamã eram designativos completamente fora dos hábitos lusitanos, pelo menos na área de onde provinham. Como foi essa a fórmula usada pelas suas meninas desde que nasceram até virem para Portugal, Sebastião ficou a ser conhecido por Papá e a minha Avó era, naturalmente, a Mamã.
O hábito permaneceu e essa forma de trato estendeu-se a vizinhos, amigos e familiares, durante toda a sua vida.
Desde que os meus filhos nasceram também fui promovido a “Papá” e Maria da Conceição a “Mamã”. Mas esse vocativo nada tem a ver com usos ou modas de fresca data. O nosso é antigo, e veio de longe num vapor com muitos passageiros!…

.

Os livros da América

Meu avô trouxe da América alguns livros que rechearam de emoção certos serões de família, que ele começou a apreciar lá e que depois foram sendo lidos como episódios de uma telenovela, em tiradas de leitura em que minha mãe ou uma das minhas tias se revezavam na tarefa de narradoras.
Além de outras obras que se perderam, das quais recordo algumas de Camilo Castelo Branco e a incontornável “Rosa do Adro”, tenho ainda em meu poder as seguintes edições, especialmente valiosas do ponto de vista das minhas evocações afectivas:

  • Colliers´s New Photographic History of the World’s War/Including Sketches, Drawings and Paintings Made by Artist at the Front, de 1918; P. F. Collier & Son Publishers/New York/NY;
OLYMPUS DIGITAL CAMERA
  • Novo Testamento de Nosso Senhor Jesus Christo pelo Padre João Ferreira d’Almeida/Edição revista e corrigida/New Yourk Bible Society, instituted in the year MDCCCXVI/1913 (com uma dedicatória); (Nota – a pessoa que ofertou a obra não era certamente muito versada em português; a palavra “ruinada”  quererá dizer “situada”)
27 p
  • A Bíblia Sagrada, contendo o Velho e o Novo Testamento: traduzida em Potuguez pelo Padre João Ferreira d’Almeida/Edição revista e corrigida/New Yourk Bible Society, instituted in the year MDCCCXVI/1913 (com uma dedicatória);
28 p
  • Ignez de Castro/Romance histórico por Faustino da Fonseca/2ª Edição revista e corrigida pelo autor/Volumes I e II/Bibliotheca Popular/Chronicas Nacionaes/Antiga Casa Bertrand – José Bastos/73 Rua Garret, 75/Lisboa (Estas obras estão assinaladas com um carimbo: Vende-se na Livraria Colonial de Luiz Freitas & Laranjo, 101 Rivet St., New Bedford, Mass);
29 p
  • As Duas Mães, de Emile Richebourg/ Vol I, II e III/versão portugueza de Julio de Magalhães/Segunda Edição/Casa Editora Belém & Cª – Succ. / 16- Rua do Marechal Saldanha – 16/ Lisboa;

30 p

  • Desk Atlas of the World/Rand McNally & Co. Chicago, Los Angeles , New York;
31 p
  • Lunário Perpétuo;
32 p
  • Souvenir Book of Providence, RI (colecção de postais);
33 p
  • New York City souvenir folder / views in color (Já atrás documentado):

34 np

A primeira obra citada desta série, o álbum de fotografias “Colliers´s New Photographic History of the World’s War” é uma obra de grande formato que o meu avô guardava ciosamente e que só começou a mostrar de forma mais liberal a mim, por ter sido o primeiro dos seus netos. Antes disso dificilmente saía da gaveta da sua secretária, e não permitia que outras pessoas o folheassem. Tenho a gratíssima recordação de o ter contemplado, repetidas vezes e com as explicações que me regalavam, sentado no seu colo. É uma colectânea notabilíssima de fotos relativas à primeira guerra mundial, cobiçado por coleccionadores de livros com reproduções fotográficas.

Esta referência a livros, à música e certos hábitos de vida que eram facto adquirido na nossa família, não derivaram de nenhuma forma de educação orientada para a cultura no sentido estrito. Os meus avós eram pessoas muito simples e de origem muito modesta, mas minha avó fora cozinheira principal numa casa de Cernache de Bonjardim construída por um português emigrante riquíssimo no Brasil que tinha caleche e preceptoras estrangeiras para ensinarem os filhos.

O próprio ambiente da localidade era interessante pois contava com um grande seminário de missões, um conceituado colégio de ensino secundário, coisa rara na remota província daquele Portugal de então e, “last, but not the least”, um Clube para os proprietários mais abastados e outros remediados da terra onde cedo se viu cinema, se jogava ténis, se bebia chá, ainda activo em vários aspectos nos dias de hoje e que tem o ano de 1885 como data de fundação!…

Nesse Clube (que se conhecia universalmente por essa mesma designação, “o Clube”) jogava-se pesadamente a dinheiro às escondidas – para desgraça de fortunas muito gradas outrora amealhadas na diáspora pelas gerações antecedentes…
O facto, de toda a gente conhecido, pode agora ser referido sem graves ofensas, dado que o tempo já terá sarado as feridas mais profundas do ócio alienante daqueles que herdaram sem cuidar de si, de suas famílias e – pior ainda – nas consequências sobre a colectividade – com perda irremediável de potencial económico e dinamismo socio-cultural.

.

Notas do “Deutches Reich” vendidas aos molhos nos United States a emigrantes ingénuos…

35 pOutra das lembranças da América que conservo do meu avô Sebastião são dois pacotes de notas estranhíssimas, que referenciam um episódio político-histórico muito particular e que documentam a enorme ingenuidade da informação geral de que dispunham os emigrantes nos Estados Unidos e porventura outros americanos daquele tempo.
Trata-se de um elevado número de notas alemãs de dez e de cem mil Marcos (!!!…) de dinheiro com o qual o estado alemão inundou bancos de vários países, numa operação cujos contornos me parecem do mais suspeito mas que não sei documentar de forma exacta.
O que sei é que esse “dinheiro” acabou por ser vendido a pessoas simples que residiam nesse tempo nos Estados Unidos e que, da tal forma ingénua, colocavam a hipótese mirífica de que pudessem voltar a ter valor, ficando ricos de uma vez por todas.
Tais notas eram vendidas pelos próprios bancos americanos por quantias irrisórias, noutra operação que julgo também não muito dignificante, pela sua frustrante inconsequência.
Em visita que tive a ocasião de efectuar muitos anos depois, na qualidade de funcionário do Banco de Portugal, ao museu do Deutsche Bundesbank em Frankfurt, fiquei admiradíssimo ao observar expostos especímenes dessas notas, o que confirma a sua autenticidade como documentos de carácter histórico.

36 p

As famosas notas trazidas pelo meu avô da América encontram-se aliás nos exactos envelopes onde sempre as teve guardadas, libertando-se delas ainda uma pequena réstia do seu odor misterioso, porventura igual ao das esperanças infundadas nos milagres impossíveis.
Cheiro, cheiro a sério, era o dos chás e pomadas de que Sebastião era apologista. E do “Sloan’s Liniment”, e do “Vick Vaporub”, coisas poderosamente evocativas da América, embora minha Mãe tenha sofrido imenso com as aplicações do primeiro daqueles tratamentos por não gostar do cheiro forte que o caracterizava e por lhe agravar as fortes dores de cabeça que teve desde muito jovem.

.

Parte II – Imagens e objectos

A primeira fotografia / cidade de Tomar, cerca de 1906
37 p
A primeira imagem que existe do meu avô, de que tenho conhecimento, é esta.

Como indica o cartão castanho escuro sobre o qual se encontra aplicada, foi tirada por um tal Carlos Gomes “Photographo excursionista”, que registava no texto de apresentação do seu currículo ter sido empregado na “photographia Vidal & Fonseca, Photographos da Casa Real”, e que tinha o seu estúdio na Rua do Grémio Lusitano, 32 – 4º em Lisboa.
Mas não foi ali que Sebastião de Matos Gomes, aí por volta de 1906, tirou esta fotografia, como outra mostrada na “Parte I” desta resenha, ambas com a farda principal, numa envergando um barrete mais simples e em pose normal, outra com uma barretina mais formal e empunhando o sabre.
Como saberemos pela imagem a seguir o fotógrafo de Lisboa era “excursionista”, forma fina de dizer que era “ambulante”, tendo as fotografias de Sebastião sido feitas em Tomar, onde estava localizado o Regimento de Infantaria 15, dispositivo militar que para ali fora transferido em 1901 depois de uma longa história militar que não vem ao caso.
O número 15 no barrete e na gola confirmam de uma forma clara o que eu bem sei, que foi ali que Sebastião prestou serviço militar.
Embora baixo e pouco corpulento estava afeito a tarefas duríssimas, a viver com pouquíssimo alimento e sem conforto de espécie alguma. Em sua casa (como em tantas outras casas de portugueses desse tempo) era natural que sua mãe cortasse em pedaços uma sardinha e a distribuísse sobre pequenos pedaços de pão, para que cada um fizesse figura de refeição para outras tantas bocas.
O episódio não é uma suposição inventada, foi o próprio Sebastião que o descreveu num serão após o jantar na casa onde morámos em Leiria, lá por volta de 1950.
São visíveis no retrato as suas duas mãos, esse território tão frequentemente explorado por mim desde criança com uma enorme curiosidade, no pleno gozo de uma intuitiva e serena intimidade consentida. Eram compactas, espessas e musculadas com dedos curtos mas grossos o que os obrigava a abrirem-se um pouco, quando em repouso.
Entre mãos e estatura existia a concordância caracterizadora de um homem de pequena estatura, cujas mãos possuíam a mesma solidez que o carácter do seu dono e a firme determinação de um homem de trabalho.

38 p
Parte detrás do cartão da fotografia acima

.

Avô, tios, irmãos

39 p

Esta fotografia foi tirada em 1914, em Providence, no SMales Studio, nº 489 da Westminster Street.
As pessoas que nela figuram são, da esquerda para a direita, o meu tio Guilherme (ou Guilhermino), Sebastião, meu avô, sentado e o meu Tio Isidro, todos de apelido Matos Gomes.
À primeira vista não vemos senão três pessoas representadas numa pose visivelmente fraterna, que a tonalidade sépia envolve num encantamento de antiguidade.
Olhando com mais detalhe outras conclusões são possíveis: Sebastião fora o primeiro a ir para a América e os seus outros dois irmãos não estão ainda tão à vontade. Por isso é ele que se encontra ao centro, recebendo a homenagem espontânea das mãos de seus irmãos colocadas sobre seus ombros. Guilhermino (será por acaso) tem um olhar algo fixo, um tanto crispado. Seu irmão Isidro, meu padrinho de baptismo já está mais confiante. Foi dos três o primeiro a falecer, logo depois de eu nascer.
O fato de Guilherme não é tão cuidado como aqueles que podemos ver mais tarde noutras fotografias suas, as calças que veste não estão esmeradamente vincadas – como é seu costume – e as botas que lhe vemos podem ser aquelas que trouxe ainda de Portugal. Visivelmente não são do mesmo modelo de abotoar que calça Sebastião, certamente já compradas em Providence.
É notória a satisfação do irmão que se senta ao meio dos outros dois. Foi ele que lhes deu apoio na sua ida para a América, que os acolheu e lhes arranjou emprego, que os agasalhou e a quem ajudou a contornar os primeiros obstáculos duma vida tão nova, tão intensa e estimulante. Esta é a verdade aqui patente que não escapa ao observador que tiver o desvelo de ler estas linhas.
Para mim, que nasci acalentado pelos sorrisos e pelas lágrimas desta gente, os gestos e atitudes que diviso são uma lição de humanidade fraterna, uma demonstração daquilo que se torna evidente porque quem olhava o mistério da máquina das fotografias, não temia – antes se orgulhava – de mostrar o que sentia.
Há um segredo nesta fotografia, contudo, que esperou quase 100 anos para ser revelado e que poderia continuar oculto, não fosse esta imensa necessidade de entender tudo o que nela está contido para além duma primeira observação distraída.
Efectuando o restauro da imagem original, ampliando-a muito, descubro o seguinte detalhe: o tradicional bigode do meu avô Sebastião encontra-se um pouco favorecido mediante um retoque de atelier feito pelo profissional que revelou a fotografia. O bigode, que foi crescendo mais ou menos de acordo com as épocas, não estava nesta altura ainda tão afirmativo, tão retorcido.
Terá sido uma ajuda deliberada do profissional para agradar ao cliente? Será que o bigode era de facto mais proeminente e não saiu tão bem como o autêntico ou será que se falou nisso durante a pose?

No verso cartonado da fotografia, legendada pelo próprio punho de meu avô muitos anos mais tarde, identifica-se o estúdio em que foi feita, e à qual estas pessoas iriam regressar mais vezes:

40 p
.

Fotografia de casamento / 1914

Foi também no estúdio de SMales que foram, pouco tempo mais tarde, tiradas as fotografias de casamento de Sebastião com minha avó Leopoldina.
Estão presentes os seus irmãos que a primeira fotografia representa e o seu amigo e antigo companheiro de trabalho nas ardentes searas alentejanas, o meu Tio Joaquim Pires (tio, por ser irmão de minhas duas avós, conforme explico noutro local), sendo de reparar que o pano de fundo onde são tiradas as fotografias é ainda o mesmo que da fotografia anterior.
O que parece ter mudado é o traje e o aspecto de meus tios, agora mais cuidado, e o bigode de meu avô, um pouco mais farto, sem sinais aparentes de retoques de atelier:

41 p

Desta feita quem aparece sentada, à direita de uma amiga sua, é a noiva, minha avó, lindíssima como diziam todos os que a conheceram e as fotografias bem demonstram.
O ar de Sebastião é francamente menos aberto que na foto que tirara com seus irmãos, colocando no ombro de sua recentíssima esposa uma tímida mão com seus dedos curtos e grossos afastados entre si, como era sua pose natural. A cabeça da noiva esboça uma leve inclinação para a sua esquerda, o lado em que repousa a mão de seu marido.
Os sapatos de ambas as senhoras são de salto alto e encontram-se guarnecidos de aplicações decorativas, um formidável requinte para mulheres simples imigradas das arborizadas e soturnas serranias do centro de Portugal. O mais alto dos presentes é o meu tio Joaquim Pires, já referido. Guilherme tem um fato novo, está bem mais elegante e meu tio Isidro que, como ele, traz gravata branca, resolveu mudar de penteado: aparta agora o cabelo com risca ao meio.
Em Portugal, tal como à época da sua chegada à América, mostrava ainda marrafa virada para a direita, com risca à esquerda. Assim o vemos numa fotografia tirada na altura do seu embarque para os Estados Unidos, em 1912:

42 p

.

Vizinhos, conterrâneos e companheiros de viagem

Esta fotografia é de Rosalina da Conceição Nunes, nascida em 1896, que emigrou para os Estados Unidos da América em 1920 no mesmo barco que transportou meu avô Sebastião, minha mãe de poucos meses e Maria da Silva, minha avó. Era amiga da família e foi madrinha de baptismo de minha tia Ermelinda, nascida em Providence em 1926, terceira filha depois de Lídia, nascida também ali em 1921. Rosalina e o marido, português e conterrâneo com quem casou naquela cidade, seguiu a tradição da maioria dos portugueses que emigraram e regressou mais tarde para Ferreira do Zêzere, bastante perto de Cernache do Bonjardim.

43 p

Esta fotografia é de um amigo, vizinho e companheiro de viagens de meu avô, do qual falava com frequência. Está acompanhado pela mulher e filhos, o seu nome era João da Silva Carvalho e era natural da Boafarinha, localidade perto da Relva. O cartão que envolve a foto está assinalado pela escrita do meu avô e menciona o nome de seu amigo.

45 p

A fotografia abaixo mostra o meu tio Guilherme e um conterrâneo, Manuel Aparício, possivelmente familiar de um João Baptista Aparício, do Vale da Urra, próximo da Relva, que também esteve nos Estados Unidos e que era casado com uma irmã de meu avô, chamada Conceição. Estas pessoas existiram, os nomes são exactos, mas não possuo informações precisas quanto ao itinerário na América.

47 p1

.

Retrato de família; Sebastião de Matos Gomes, mulher e filhas, Providence, 1926

.

49 p

O meu avô rodeado da sua família essencial, mulher e três filhas, no momento porventura mais alto da sua maturidade. Foi retrato tirado algum tempo depois do dia 25 de Maio de 1926, no qual, “às 10 horas em ponto da manhã”, conforme escreve Sebastião no seu Day Book dos acontecimentos principais da família, nasceu a sua filha Ermelinda.
Lugar: Providence, cidade enorme e distante dum país praticamente infinito em tudo, até no sonho que lhe inspirou por toda a vida. Ficou colocado à esquerda, a atestar o gosto compositivo do mestre fotógrafo que certamente organizou a pose de todos os retratados. Sebastião ostentava um gracioso chapéu de palhinha com o qual ainda brinquei em Cernache do Bonjardim. O formalismo do fato completo com colete e a camisa branca com gravata confirmam uma dignidade a que os óculos redondos e o bigode acrescentam uma nota subtil de afirmado urbanismo. Mas não nos iludamos: o homem que ali está é bem modesto, embora tivesse tido a sorte e a determinação necessárias para transformar de forma radical o curso da sua vida anterior.
A volumetria do chapéu ajuda a compor a estatura do chefe da família e o bigode deve-se à circunstância de que, no seu tempo de militar, todos os homens que entravam para o serviço das forças armadas eram obrigados (tácita ou expressamente) como ele próprio me disse, a ostentar qualquer apêndice capilar ao gosto do próprio. Bigode, barba, barbicha mais farta ou rala, patilhas, mosca, qualquer coisa enfim que fosse prova expressiva de virilidade.
Coisas da monarquia agonizante? Regra ancestral de militares empedernidos incansáveis de guerra? Ignoro.

Ao centro da foto está a sua segunda esposa, Maria da Silva, segurando ao colo Ermelinda. Ao lado esquerdo Lídia e ao lado direito Maria de Lurdes, minha mãe.
Como fotografia de minha avó é aquela que mais justiça faz à sua beleza, ostentando aqui um olhar serenamente convicto de mulher realizada pela graça da maternidade.
Se lhe chamo avó, pelo que digo adiante sabereis que não o era de facto, e que a minha outra avó (ambas entendidas como únicas e verdadeiras) era sua irmã e falecera três meses depois do parto de sua filha, Maria de Lurdes.
Sebastião foi, na minha opinião, o elemento da minha família que mais capacidade demonstrou de transformar a sua própria existência e daqueles que dele dependeram. Fez a transição heróica de um campesinato oprimido pela pobreza e de horizontes fechados para uma abertura ao mundo e para todas as suas promessas possíveis.
Esse prodígio deve-se ao enorme desejo de mudar de vida e passa pela decisão de ter emigrado para os Estados Unidos da América.

A minha avó Maria, apesar do começo dramático do seu casamento quase forçado com Sebastião, pelo dramatismo da morte de sua irmã Leopoldina, adaptara-se muito bem à sua vida nos Estados Unidos, a novos vizinhos de várias nacionalidades, amigos e familiares. Carregava consigo lembranças de muito trabalho, de enorme coragem perante a adversidade, sobretudo após a mais tenra infância. Raras foram as ocasiões e raras foram as pessoas a quem confiou o detalhe pormenorizado desse longo caminho de sofrimentos.
A confiança carinhosa com que se relacionava com minha mulher, Maria da Conceição, proporcionou longos momentos de narrativas da vida que foi obrigada a viver em menina e dos padecimentos que patrões sem sensibilidade nem sentimentos lhe infligiram.
Usava blusinhas muito pobres sobre cujas ombreiras era possível ver sempre a mancha escura do sangue de puxões nas orelhas. E para começar as regas bem de madrugada, para evitar punições físicas por qualquer atraso, não raras vezes teve de dormir ao relento, com a cabeça sobre os braços apoiados no muro de um poço.

50 p

A Mamã e eu, em Leiria, Julho de 1968

.

Os locais de residência de meu avô Sebastião em Providence

Além de outros locais provisórios, em casa de amigos, nomeadamente à data da sua chegada a Providence, os principais sítios onde residiu meu avô, foram os seguintes:

– Wickenden Street;

– 42 Brightdridge Avenue;

– Freeborn Avenue.

Este último foi o local de que ouvi mais abundantemente falar, por ter sido a última e a melhor residência que possuiu.

No dia 15 de Maio de 1960, a minha Tia Lídia, em romagem de saudade, por assim dizer, fez visitas ao último local onde residira seu pai e onde ela própria nasceu em 22 de Outubro de 1921.

No caso da Freeborn Avenue o aspecto que apresentava toda a área envolvente estava dramaticamente transformado devido à vizinhança da Interstate 195.

 51 p

No local indicado com um sinal azul, no termo da Freeborn Avenue, está indicado o sítio onde existiu uma casa na qual – anteriormente – morou meu tio Joaquim Pires, cunhado de meu avô, antes de ter mudado de residência para Barrington. As pessoas que se vêem na foto, de 15 de Maio de 1960, são a minha tia Lídia, e os meus primos Fernando e Alfredo Brites.

52 p

O sinal azul indica o local exacto onde foi a casa do meu avô na Freeborn Avenue. De acordo com as minhas “visitas” pelos mecanismos da Internet, a fotografia foi tirada do viaduto sobre o qual passa a Lyon Avenue. A dedicatória inscrita pela própria mão de minha tia Lídia, no verso desta fotografia, também de 15 de Maio de 1960, reza assim:

 53 p

Estando ainda vivo por esta altura o meu tio Joaquim Pires, contemporâneo e vizinho de meu avô em Providence capaz de certificar estas indicações de minha tia, a casa do meu avô seria, portanto, exactamente na esquina da Freeborn Avenue com a Henry Street.

.

Os parques de Providence na memória de meu avô

As modernas tecnologias permitem-me a curiosidade e o gosto de fazer uma visita aérea à cidade de Providence, apercebendo-me com razoável rigor de uma enorme quantidade de características do urbanismo e dos conceitos de espaço ali dominantes, que admiro – sobretudo – no que diz respeito à largueza e à abundância de zonas verdes.
Toda a região envolvente se torna sugestiva por ser próxima do mar e por possuir cursos de água, lagos, baías, enseadas, todo o elenco de recursos paisagísticos que caracterizam as regiões de costa excepcionalmente recortada.
O meu avô falava muito de Rocky Point, do Roger Williams Park e do Crescent Park. Este último sei ter encerrado em 1979, constituindo uma saudade para muitas pessoas que o conheciam e que o frequentavam. Eram frequentes as alusões do meu avô a esses locais, que visitava com a família nos momentos de lazer e convívio.

54 p155 p
Imagens dos locais referidos, do álbum de recordações que possuo, trazido de Providence pelo meu avô.
56 p

Esta fotografia foi tirada em Junho de 1960 no Crescent Park e as pessoas retratadas são a minha tia Lídia e os seus dois filhos, Fernando e Alfredo Brites, também netos do meu avô, que residiram em Providence. O regresso ao local e a remessa para meu avô desta fotografia não pode ter deixado de ser uma referência evocativa de visitas feitas na infância por minha tia, acompanhada por seus pais.

57 p

Esta fotografia mostra a minha mesma tia Lídia, no Roger William’s Park e o teor da dedicatória, datada de 14 de Maio de 1961 evidencia o mesmo propósito indicado relativamente à fotografia anterior.

.

Duas anedotas da América

A nível do convívio das famílias em Cernache do Bonjardim nunca reparei no uso frequente daquele conjunto de vocábulos a que se chama vulgarmente as “asneiras”. Anedotas picantes ou outras de linguagem brejeira, nunca as ouvi em nossa casa.
Como tudo tem excepção, havia uma coisita só para certos serões com gente nova, duas anedotas contadas aqui com apoio de dois asteriscos por uma questão de… pudor “linguístico”:

Primeira anedota:

Num arranha-céus lá da América, em tempos idos, os serviços funerários tinham sérias dificuldades em remover os falecidos, quando qualquer fatalidade ocorria.
Haveria portanto um determinado serviço “especializado” em trazer as pessoas pelas escadas abaixo, para depois proceder às respectivas exéquias e velórios, constituído por homens alentados que as transportavam, nada mais nada menos que… às costas!…
Um falecido, que sofrera em vida de enorme flatulência, foi transportado por um desses funcionários, com o organismo cheio de “gazes” que se foram “libertando”, produzindo os nefastos efeitos previsíveis.
O transportador aguentou quanto pôde até que, num momento de saturação, deitou a carga que o afligia pelas escadas abaixo, exclamando para o defunto:
− Olha lá, companheiro, já que te podes c*gar, também hás-de poder andar!…

Segunda anedota:

Algures em Providence, no seio da comunidade portuguesa, havia um arraial com procissão e tudo celebrado pelos devotos do “portuguesíssimo” Santo António.
Num dos andores, como originalidade, foi esculpido um Santo António, imagine-se, em… chocolate!…
Fosse pelo calor do Sol ou pelo efeito das velas o (também) dito Santo casamenteiro começou a derreter-se e, lá para o fim da festa, estava feito num monte!…
Facto que suscitou uma exclamação de um dos presentes, no mesmo registo daquela que remata a história anterior:
– Olha, o Santo António, este ano, c*gou e andou!…

Estas duas anedotas contadas muito raramente fazem parte dos recursos da minha própria avó, pessoa doce e comedida em tudo até na linguagem, contadas de parceria com o meu avô, desconhecendo eu as suas referências. Serão apenas o exemplo de um humorismo ingénuo tão típico dos portugueses, ao qual uma corriqueira palavra de “cinco letras” basta para a risota geral e festiva, em ambiente de reunião familiar.

.

Familiares que ficaram na América

.
58 p

Um dos camaradas (assim se designavam os ceifeiros “ratinhos” da Beira Baixa que trabalhavam sazonalmente além Tejo) que ensinava a ler os companheiros de árduo trabalho nos serões alentejanos e à luz duma lanterna, e entre eles o meu avô Sebastião, foi um tio meu chamado Joaquim Pires, natural da Relva, onde nasceu em 1888. Terá sido uma das pessoas que meu avô ajudou a ir para os Estados Unidos em 1913, ali tendo residido até ao fim dos seus dias.
Era irmão de minhas avós Leopoldina e Maria da Silva e viveu em Providence, onde foi operário da indústria de fiação.

59 p

Esta fotografia é do meu tio Joaquim e foi tirada na sua casa em Barrington em 1949, com uma filha de seu filho José ao colo.

Vivia em Barrington, casou inicialmente com Maria Joaquina, dos Casais de S. Bento/Cardigos (muito próximo da Relva), de quem teve quatro filhos. Enviuvou, tendo casado em segundas núpcias com Maria, natural de Fornos de Algodres que era, por seu turno, também viúva e mãe de outros quatro filhos. O casal nunca chegou a ter filhos seus, mas educaram aquela grande família na maior das harmonias, o que eles próprios declaravam na simpática e demorada visita que fizeram a Portugal em 1958.

Não conhecendo pessoalmente os outros filhos de meu tio Joaquim, menciono mais detalhadamente a única que conheci, Leopoldina Pires, prima direita de minha mãe, que casou com Diamantino Mendes Henriques, nascido em Providence (é da geração das filhas do meu avô) e ali teve como actividade a indústria de salsicharia.
Diamantino Henriques era filho de José Henriques, da Relva, terra do meu avô e de Maria da Conceição, do Maxial/Souto, que tinham emigrado para Providence.

60 p Os meus primos Leopoldina e Diamantino, com seu filho Paulo, foto tirada em Agosto de 1953

61 p
Os meus primos Diamantino, Leopoldina e filhos Ricardo e Paulo, foto tirada em Abril de 1969

Já tive o prazer, como já disse antes, de receber a visita dessa minha prima Leopoldina (Pauline) aqui em Coimbra, que vive ainda em Rhode Island. A maior parte destas pessoas e seus familiares encontram-se sumariamente referidos numa obra acerca de “Vila de Rei e a sua Gente”, de autoria do Padre José Maria Félix, agrupados em duas linhas familiares, os Matos Gomes do Vale da Urra e os Silvas da Relva, ambas as localidades situadas no concelho de Vila de Rei.

62 pEsta fotografia foi tirada em 26 de Maio de 1958, na Relva. Ao centro está o meu tio Joaquim Pires, ladeado pelas suas duas irmãs Maria e Luísa da Silva (que ali vivia). Meu avô Sebastião está à esquerda e do lado direito a esposa de meu tio, Maria Pires, de Fornos de Algodres

63 pEste é ainda o meu tio Joaquim Pires, no Luso, em 1958, ladeado por sobrinhas e sobrinhos de duas gerações e sua esposa Maria. A minha tia Lídia e minha mãe; eu à esquerda com 16 anos e dois primos direitos filhos da minha tia Lídia, Alfredo e Fernando, de treze e sete anos (que viveram também, depois desta data, durante dois anos e meio em Providence). Ao lado direito a esposa de meu tio, Maria Pires. Esta envergava um “vestido às florzinhas”, coisa que em Portugal, nessa época, era muito raro em senhoras da sua idade, apenas típico de certas turistas estrangeiras que nos visitavam.

.

Os três irmãos de regresso

A unidade no seio da minha família era muito assinalável, como refiro noutros pontos. Sebastião e os seus quatro irmãos e suas duas irmãs, sempre se estimaram e ajudaram entre si. Os três que se encontram presentes nestas fotografias tiveram a particularidade de viver nos Estados Unidos, em Providence, tendo definido a mesma estratégia de regresso a Portugal. E o meu avô, que fora o primeiro a ir para a América foi também quem os ajudou a regressar.

A Relva, de onde eram originários, e as terras circum-vizinhas eram julgadas menos interessantes que Cernache do Bonjardim, terra bem mais arejada e com melhores recursos de vária ordem, nomeadamente escola e colégio de ensino secundário para as filhas, o que era uma raridade naquele tempo.

Foi uma antiga família de abastadíssimos emigrantes no Brasil, para quem minha avó Maria da Silva trabalhara como cozinheira antes de ir para a América, que veio a vender as propriedades que os três irmãos ali compraram como futura residência de suas famílias e como meio de vida pelo exercício da agricultura.
A Quinta da Salgada comprada por meu avô era aquela que se encontrava mais aproximada do centro da localidade por exigência da minha avó Maria, que deixara os Estados Unidos com grande contrariedade. Sebastião teve, aliás, que renunciar à compra de uma propriedade muito maior, mas mais afastada, por esse exacto motivo.
O Vale Ferraz foi por si adquirido para o meu tio Guilherme e a maior de todas, o Molhapão − quase um latifúndio − mas mais afastado de Cernache do Bonjardim, para seu irmão Isidro.

64 p

A fotografia acima mostra os mesmos três irmãos Isidro, Sebastião e Guilherme (Guilhermino) um quarto de século mais tarde, pouco tempo antes de eu nascer, em 1942.
A diferença de vistas é evidente, contrastando de forma total com as delicadas poses de estúdio na Westminter Street de Providence.
Foi tirada com aquilo que se chamava ao tempo um “Kodak”, na Quinta da Salgada. Atrás deles a casota dum cão, que foi mudando de inquilino segundo as épocas, e onde terá habitado um tal “rocky-point”!…
Á esquerda encontrava-se o conjunto das casotas para galinhas, patos, coelhos e outros bichos de utilidade doméstica e a árvore que cresce por detrás do meu tio Guilherme (com as calças impecavelmente vincadas como era seu timbre!…) tornou-se minha conhecida e apreciada durante anos: era a cerejeira mais prodigiosa, com as cerejas maiores e mais saborosas que tenho na lembrança, seja isso realidade ou apenas suposição idealizada pelo passar do tempo.
Meu tio Isidro, à esquerda, segura no braço (e do mesmo lado que um outro com que se fotografara em 1912…) um chapéu de chuva, em dia aparentemente soalheiro. O seu rosto está um pouco desfocado e o sorriso que ostenta tem um ar distante e impreciso. Será o primeiro dos três irmãos a partir deste mundo, o que sucederá pouco tempo depois de ter sido meu padrinho de baptismo.

Meu avô, entretanto, com o respeito que lhe granjeara ter regressado da América proprietário de porte mediano e de muita consideração pessoal e familiar, fora nomeado Regedor da Freguesia, cargo que tomou muito a peito com enorme e abnegado sentido de serviço.
Nunca fora um político nem nisso se tornou, durante ou depois da nomeação, em aspecto nenhum do termo.
Guilhermino, por seu turno e pelas mesmas razões, tornou-se presidente da Junta de Freguesia de Cernache do Bonjardim.
Naquele tempo e sob o regime da época estes cargos eram de nomeação oficial, pelo que não me lembro de ter ouvido falar de eleições ou campanhas para esses cargos. Tenho em meu poder documentos que dão posse ao meu avô em dois dos seus “mandatos” (houve mais) e lembro-me de o ver exercer certas funções inerentes, mas nada de especial importância e de nenhum proveito pessoal, antes pelo contrário, que bem se queixava minha avó do trabalho que isso dava a Sebastião.

65 p

 

.

Objectos de utilidade − recordações vivas da América de Sebastião de Matos Gomes

.
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Durante todo o tempo da minha vida tenho bebido por estes copos e cálices, como tantíssimas outras pessoas, a água ou o vinho do Porto.
Se há visitas notáveis é por eles que são servidos as bebidas, referindo sempre a origem dos objectos que, não tendo qualquer natureza de luxo requintado possuem, porém, o encanto magnífico de terem feito a longa, longa viagem…
Terão sido comprados no “Outlet”?…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Estas ferramentas sobreviveram aos anos e a um uso intenso que delas fizeram várias gerações. Agora foram finalmente promovidas à categoria de recordações notáveis de família.
Há dois martelos que trabalharam imenso que estão sem cabo. O cabo do martelo do lado esquerdo ainda era o de origem. O outro não, por ser para trabalhos mais rudes.
O martelo que está debaixo da tesoura de podar (o meu avô era um hábil podador) era o martelo com que eu brincava em pequeno. Ostenta a marca: George Barnsley e o nº 2 do modelo.
Mas a melhor chave de canalizador que tenho ao meu serviço é aquela que ali se vê, e tem detalhes que comprovam a sua origem:

68 p

A marca e o logótipo dos fabricantes (Bonney Stilson) e o local de origem (Allentown PA, Made in USA) são bem visíveis.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Não faço a mínima ideia qual a natureza ou origem destas peças. Mas é um facto que vieram dos Estados Unidos.
Tendo meu avô estado enfermo em Leiria, no começo dos anos 50, foi tratado por um médico que era coleccionar de antiguidades e que lhe cobiçou as mesmas, de forma bastante insistente. Pagava o que fosse, dizia. Mas a estima do meu avô por essas jarrinhas de vidro leitoso derivava da mesma paixão saudosa que envolvia todas as recordações de Providence.
E o Senhor médico não conseguiu ficar com as jarrinhas de que tanto gostou…
Há entretanto um outro pormenor nesta imagem que merece referência: a colcha amarela de “borbotos” que pode ver-se, foi trazida de Providence em 1958, como uma das prendas da nossa tia Maria Pires, esposa de Joaquim Pires, e produzida na fábrica de lanifícios onde este ali trabalhava.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

 

Na bagagem de retorno da América veio todo o tipo de utensílios domésticos. Os talheres eram muito bonitos, mas tinham um inconveniente grave: exigiam uma limpeza muito cuidadosa, dado que o metal de que eram feitos oxidava de forma inconveniente e pouco saudável.
Foram sendo substituídos e caíram em desuso.
Estas colheres são das raríssimas que sobreviveram e aparecem aqui manchadas de cores: são as colheres com que mexo as minhas tintas de pintar!…
Quanto ao abre-latas, foi uma peça quase inútil em Cernache do Bonjardim, lugar onde não se consumiam alimentos enlatados!… A peça em si é outro testemunho eloquente das diferenças de hábitos e de estilos de vida entre Portugal e os Estados Unidos, lugar onde um abre-latas já era muito usado nesse tempo.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Sempre que o meu avô necessitava de fazer um risco mais direito, usava esta régua. Mais tarde, ofereceu-ma, para as minhas coisas da escola. Como trazia a escala marcada em polegadas, foi-me de pouco uso, mas ainda a guardo como objecto de estimação.

.

O “Swing”

.

72 p

Mais um objecto vindo da América na bagagem familiar foi o “Swing”, substantivo comum aqui grafado com maiúscula por não ser apenas um objecto simples ou insignificante, mas entidade vital candidata à categoria de mito doméstico.
A fotografia que aqui se vê foi tirada no dia 28 de Junho de 1956, no quintal da nossa casa em Leiria, a pessoa que se senta no famoso “Swing” é minha avó Maria (“Mariana”), os estofos são de pano tosco e seu aspecto de “cadeira de jardim” nada é daquilo que fora quando regressou da América.
O “Swing” era, contudo, perfeitamente útil e cómodo para quem nele se sentasse e ainda o foi por muitos anos – depois de algum restauro ¬– na primeira residência que tive em Coimbra, nos anos setenta, quando faleceram os meus avós.

Depois de ter chegado de Providence o “Swing” fez uma larguíssima época num compartimento térreo e espaçoso da grande casa de Cernache do Bonjardim que se chamava “a loja”. Era enorme e pavimentada por lages de pedra escura que, com o seu enorme “pé-direito”, garantia uma temperatura fresca nos calmosos dias no Verão da Beira Baixa.
Cernache do Bonjardim está situada num planalto verdejante, é ladeada à distância pelo forte Rio Zêzere e é cercada a toda a volta por cadeias majestosas de serranias de vários tons de azul, consoante a distância. Das janelas da casa vê-se no horizonte o Picoto da Milriça, centro geodésico de Portugal, a um tiro de espingarda da terra onde nasceu o meu avô Sebastião: a Relva.

O ar é perfumado pelas plantas aromáticas de odor intenso acalentadas pela interioridade escondida das serranias muito recortadas por vales profundos.

Na “loja” da Quinta da Salgada entrava a luz filtrada pela enorme parreira que meu avô fizera trepar por uma alta estrutura de ferro em alameda, o aroma das frondosas laranjeiras logo em frente e dos viçosos tufos de alecrim e erva-cidreira.

A sala tinha do lado esquerdo alinhadas junto à parede as enormes tulhas onde eram guardados os cereais e do mesmo lado junto à porta a mesa comprida onde meu avô recebia gente no exercício do seu cargo de Regedor da freguesia. Dali saía a escada que conduzia ao andar de cima, à residência da família, e por ali se passava a outras dependências do rés-do-chão: a divisão onde estavam as salgadeiras com as carnes em conserva de sal e a casa do forno onde se fazia o pão.
À esquerda era a porta que dava para o “varandal”, onde se situava o lagar, arrecadações, etc. Lá ao fundo à direita era a adega e à esquerda outras dependências para o gado

O “Swing” estava à direita, antes da casa do forno, enfrentando a serenidade de toda a sala numa semi-obscuridade que convidava ao repouso, às confidências e a alguns namoros. Era muito simplesmente uma daquelas cadeiras largas de baloiço de jardim, em ferro, com costas de barras de madeira, que pendiam de correntes.
Deu para o descanso e para a brincadeira de pelo menos quatro gerações, deu para sobressaltos quando se balouçava com força demais, deu para sestas e sonhos, deu para rir e para chorar.
Chorar com certeza, senão muitas outras penas de dor e ausência, as enormes saudades que Sebastião tinha da sua vida em Providence, Rhode Island. Nome que pronunciava com a grave e acentuada pronuncia dos States e que eu na altura nem sonhava tivesse a tradução que tem: Ilha de Rodes!…
Quando um dia me apercebi desse facto e sem desprimor para Rodes e suas tradições monumentais, invadiu-me até um certo desapontamento, tão estranha e sugestiva era a ressonância das palavras: Providence, Rhode Island…

.

Os projectos falham, os sonhos são invulneráveis

Já fiz algumas considerações relativas à resolução do regresso a Portugal, de que Sebastião se iria tão lamentosamente arrepender.
Aqueles que lhe ouviam esse queixume nem sempre tinham a paciência de o escutar.
Os imensos defeitos que encontrava no seu dia a dia português ajudaram-no a idealizar todos os recordados encantos da América, que ganharam um espaço cada vez maior, porventura exagerado, na sua consciência. A tendência foi-se agudizando, ano após ano, sobretudo depois ter perdido essa condição essencialmente única que era a dum homem da terra, envolvido nos seus ritmos sazonais, no levantar cedo, no ar limpo do campo, nessa familiaridade transcendente que há entre os gestos do semeador e o milagre sempre renovado da germinação das sementes e do arredondar dos frutos.
– Se gostava tanto da América porque é que se veio de lá embora!?…
A verdade desse reparo era muito mais insignificante que a dor que lhe causava, facto que foi encerrando meu avô numa cápsula de melancolia e solidão.
Trabalhar como operário industrial, verificar a eficácia das “union fittings” de E.M.Dart foi um dever de manutenção familiar feito projecto; o regresso à terra era o sonho de Sebastião!…
Julgo com efeito que foi essa mesma intensa identificação com a terra que o fez regressar, porventura antes do tempo. Ainda na América chegou a acalentar a ideia de se dedicar à agricultura, tendo chegado a visitar e apreçar um lote de terreno para cultivo (um “fâm” – farm, claro), tentativa essa que não se tornou realidade.
Outro projecto que teve foi o de comprar um certo lote para construção de uma casa. A notação a lápis, já gasta pelo tempo, diz-nos que seria o talhão número 60 da urbanização “Brightdridge Plat Nº 2”, em East Providence, e ficava na Fenmoor Street.
Quem não teve projectos falhados alguma ou muitas vezes na vida que atire a Sebastião a primeira pedra!…

73 B
.

Mudam as religiões mas não a fé, se no coração reinar a paz

Como já disse, Sebastião tencionava regressar aos Estados Unidos e daí o cuidado extremo que teve em renovar – dentro do que era possível – a validade dos documentos que trouxe da América.
As dificuldades originadas naquela altura pela já referida “grande depressão” contribuíram para que esse sonho não fosse concretizado. O já referido bom ambiente reinante em Cernache do Bonjardim e a dignidade alcançada pela sua imagem pública consagrada pela sua nomeação de Regedor da Freguesia talvez o tenham distanciado desse propósito.
A vida dá muitas voltas e em breve se aproximaram de Portugal os tempos terríveis da segunda guerra mundial, com o cortejo respectivo de inquietações só contornado pela solidez da orientação do seu trabalho e de sua mulher, e pela sua condição de esforçados e comedidos agricultores.
Inicialmente católico pela natureza da tradição familiar, passou Sebastião a frequentar nos Estados Unidos uma congregação Evangélica Baptista, cujas práticas sempre lhe agradaram muito particularmente, reforçado pela atitude anti-clerical de certos sectores marcantes da nossa antecedência histórica na transição da monarquia para a república e de que tinha memórias vivas.
No templo da Union Baptist Church que frequentou, situado na esquina da East Street com a John Street, foram-lhe oferecidos dois livros, uma bíblia e um novo testamento. Conforme ilustrações atrás apresentadas pode ver-se que a bíblia lhe foi oferecida por uma Senhora chamada Conceição Furtado (nome que não custa imaginar seja de uma cidadã originária dos Açores onde abunda aquele apelido) e refere ainda ser oferta de parte de “Santa Claus”, o muito referido “Sâni Clouz” lá de casa que, não obstante, jamais conseguiu entre nós substituir ou dispensar o presépio da invenção franciscana e o menino Jesus, que era quem nos trazia as prendas.
Na dedicatória inscrita no Novo Testamento ficamos sabendo que a aula bíblica tinha lugar aos Domingos das 3 às 4 da tarde, seguida do culto das 4 às 5.
Em Cernache a atitude religiosa que manteve foi de distanciamento em relação ao catolicismo mas, uma vez residente já em Leiria regressou à igreja Baptista, ainda por cima com o interesse de ali existir um seminário regido por pastores norte-americanos, que eram os mentores da igreja.
A minha avó nunca seguiu essa sua inclinação embora condescendesse por vezes em acompanhá-lo, depois de ir à missa católica, à celebração dominical Baptista. As suas duas filhas nascidas em Providence, aliás, foram baptizadas de acordo com a sua opção. Ermelinda, a mais nova, sei ter sido baptizada na Igreja da Nossa Senhora do Rosário.
Estabeleci mais tarde a minha residência em Coimbra e tive o privilégio de continuar a ter comigo os meus avós Sebastião e Maria (“Mariana”), até ao fim dos seus dias.
Morreram ambos praticamente nos meus braços, tendo tido ambos a alegria de brincar com o meu filho primogénito, nascido em Ponta Delgada em 1970, quando ali iniciei a minha carreira de funcionário do Banco de Portugal.
Meu avô dava grandes passeios a pé através de Coimbra, ia todos os Domingos à Igreja Baptista e quem ia buscá-lo de automóvel era sempre eu.

74 p

Minha avó tinha o hábito e o gosto de escutar atentamente os noticiários pela rádio.
No fim, perguntava-me não poucas vezes com toda a lucidez de ternura que sempre lhe conheci, com a curiosidade invulgar numa mulher de tão grande simplicidade e convicta na confiança do amor que me dedicava:
− Olha lá, Zé, quando é que “eles” fazem a Paz?
Tantíssimas vezes me fez essa pergunta e tantíssimas vezes lhe respondi, com carinhoso afecto, iludindo a irresolúvel perplexidade com que tal questão me confrontava.
Faleceu no dia 12 de Janeiro de 1972, com 89 anos, dias depois de um Natal em que já não se cantou em nossa casa “It’s a long way”.

Sebastião partiu pouco mais de um ano depois, no dia 1 de Maio de 1973, com 87 anos.

75 p
Entre os meus avós, na nossa casa em Leiria, na Rua Padre António, no dia 30 de Setembro de 1968, data em que me casei com Maria da Conceição.
.

Contar histórias de verdade, aprender a ouvir as vozes ocultas, prosseguir…

De muito pouco vale homenagear-se uma pessoa depois de ausente, se não soubemos dar-lhe atenção enquanto viva.
A presença solidária e permanente que tive a felicidade de partilhar com os meus avós até ao fim das suas existências, foi – e meço as minhas palavras – uma grande e valiosa aventura. Não tive que transpor com isso montanhas ou cumes nevados, atravessar rios caudalosos ou medir forças com gigantes. Bastou estar atento e disponível. Bastou querer.
O beneficiado fui eu. Com eles aprendi a universalidade inestimável da persistência honesta e o valor sem medida dos gestos da paz.

76 p
Meu avô Sebastião com seu bisneto Alfredo César, meu filho, em Coimbra, Dezembro de 1971.
.

.


palavras para Mariana

nome pelo qual meu avô tratava minha avó Maria

que calma tens tão segura
Mariana
que olhar tão transparente

há uma fonte que do alto da tua cabeça
derrama sobre a casa um perfume sereno
presença infindável e secreta do corajoso sangue materno

pouco importa
se das paredes se desprendem fios de neblina e esquecimento

transposto o limiar da porta
sento-me
e é como se estivesse já acesa a lareira que espero desde o Inverno
à saída inevitável de Agosto

as costas das tuas mãos revelam através da porcelana fina
o azulado ténue das veias
e não há forma mais imediata de tornar inúteis as palavras
que aprender nesse azul os gestos sossegados
o saber fazer o chá
o dobrar cuidadosamente os linhos

o vento atravessa todas as muralhas
eriça de espuma as águas
a tua voz
é de silêncio emoldurado pela esperança

que calma tens tão segura
Mariana
que olhar tão transparente

.

77 a

A minha querida mãe Maria de Lourdes, ao lado de Maria da Silva Gomes (“Mariana”).

palavras para meu avô Sebastião
meu amigo e confidente

Sebastião
homem de baixa estatura e meu amigo
onde poderei procurar-te caso me encontre perdido lá longe
onde me desencaminhem a luz e a altura

irei procurar-te passeando sozinho nas margens dos rios
ao longo das compridas alamedas
e onde houver jardins onde crianças brinquem
ou grandes obras de engenharia com as quais possas recordar América
seu sonho seus altos céus que os formidáveis edifícios arranham cá de baixo
sem temor nem dúvidas metafísicas

Sebastião
ceifeiro de sonhos e viajante arrependido a quem devo meu nome
vou procurar levar-te uma bíblia e um cavalo
a bíblia para que tenhas um livro em que possas descobrir com fé
os mistérios que livro algum poderá explicar
e um cavalo para que possas recordar teus dias de garbo de esperança
e de maioridade conquistada a pulso

Sebastião
homem de baixa estatura e meu amigo
lembro-me bem do teu cheiro
da tua pequena tosse

e da forma nervosa como passavas o lenço pelo rosto
quando me contavas as histórias mais empolgantes
as tuas memórias mais vividas

decerto te lembrarás das manhãs de frio
em que te oferecia um pequeno cálice de
porto
mas tenho que confessar-te que escolhia sempre o cálice mais pequeno
para poder ter a alegria de te obsequiar por mais do que uma vez
sem te causar transtorno

quanto à bíblia que é um livro complicado
e ao cavalo que não vai servir-me para chegar muito para além das nuvens
talvez seja melhor levar-te escondida na bagagem uma bela garrafa de porto

quando te encontre de novo vamos beber os dois pelo gargalo
e marcar enfim passagem num vapor
desses que vão para a América coração enérgico dos teus mais belos sonhos

Sebastião
homem de pouco mais de metro e meio
e muito meu amigo
se for muito difícil achar-te em largas avenidas irei procurar-te ao por do sol
onde de novo aprenderei contigo como é bonita a luz perdida do fim da tarde

.

78 p..
Meu avô tinha por hábito, na casa onde por último morámos em Coimbra, chamar-me para poder ver a larga paisagem que dali se via sobre o Poente, sempre que a luz lhe parecia bela, para partilhar comigo a emoção das cores do fim do dia.
Esta foto foi tirada alguns anos antes, nos começos de sessenta, na varanda da nossa casa de Leiria, com o castelo ali por cima.

.

.

.

.

.

.

Sebastião de Matos Gomes teve três netos

.

.

Tomo a liberdade para alertar o visitante casual de que este é apenas o epílogo muito pessoal e afectivo de uma longa história que alguns porventura gostarão de conhecer se desejarem fazer o favor de começar “O meu avô na América” desde o princípio. É só clicar…

.

.

Diz o povo português, bem experimentado que está por séculos de penas e canseiras, que quando as coisas não correm de feição “esta vida, assim, não chega a netos!…”
Sebastião, tendo tido três filhas, ficou mesmo assim muito contente por ter juntado três netos, que era coisa muito pouca no seu tempo, quando havia tantas mulheres a alcançar mais de dez filhos cada uma!… O mais velho, eu mesmo, tenho como nomes próprios  José Sebastião Gomes, seguindo-se o que surgiu três anos depois, Alfredo José Gomes e seis anos mais tarde o mais novinho Fernando José Gomes, a que se juntaram os apelidos de nossos pais; Costa Brites no meu caso e Pereira Brites no caso dos meus dois primos, querendo dizer a constância do nome Brites em todos os três que, sendo filhos de irmãs, também somos netos de irmãs, isto é, primos direitíssimos.
O conjunto dos nomes próprios em si, todos Gomes e eu até Sebastião, poderia querer dizer muito pouco para além de qualquer casualidade, mas o facto é que certifica a profunda imagem de afecto e consideração de que ele desfrutava no seio de toda a família.

Este texto e estas fotos, é bom de ver, não fizeram parte do artigo publicado pela revista “Gávea-Brown” do “Department of Portuguese and Brasilian Studies” da Brown University de Providence, RI, como se refere de início.
Trata-se apenas de uma nota de presença daqueles que querem testemunhar o sentido de unidade familiar que lhes legaram os seus muito queridos avós, que os presentes desejariam prolongar pelo futuro com o melhor das suas forças.

 79 p

Esta foto, datada de Agosto de 1955, foi tirada por um profissional da Nazaré que a assinou (com uma traineira à vista, no local onde antigamente ancoravam).
Estes são, por ordem – o Alfredo José à esquerda, o José Sebastião ao centro e o Fernando José à direita, ou “Fernandito”, como tem justificado o seu privilégio de ter ficado para sempre o mais novo de nós três.

.

80 pNesta foto estão presentes os meus avós Maria da Silva Gomes e Sebastião de Matos Gomes, a minha mãe Maria de Lourdes Gomes Brites e sua irmã Lídia Gomes Brites. Dos três netos estou eu, com menos de 19 anos, o meu primo Fernando com cerca de nove e seu irmão Alfredo José com cerca de 15. A outra filha de meu avô Sebastião, Ermelinda da Silva Gomes, estava ausente em Moçambique, onde passou um alargado número de anos. A foto foi tirada também próximo da Nazaré, em Março de 1960, pelo meu tio Alfredo Pereira Brites, marido de Lídia e pai de Alfredo e Fernando

Os protagonistas deste breve epílogo, agora, também já chegaram a netos:

.

Eu Alf Fern copy

Por uma outra ordem, e já muitos anos mais tarde, o Fernando à esquerda, o Alfredo ao centro e por último este vosso já provecto cronista, o José Sebastião, que a todos os visitantes saúda, agradecido por terem tido a coragem de ter chegado aqui, com votos de óptima disposição.
Se o autor deste sítio puder reunir fotos de pessoas espalhadas por sítios diversos de dois continentes distantes, pode ser que ainda um dia consiga construir um mosaico com faces e atitudes de netos, bisnetos e trinetos do nosso sempre muito admirado e profundamente querido Sebastião de Matos Gomes, que ficou conhecido como “o Papá” de toda uma agora já grande família!…

.

.

.

.

.

.

.